Itália e Angola: Uma amizade antiga

Out of stock
SKU
20060
$2.68
Livro capa mole
Desde o primeiro momento da minha chegada à Angola, em Janeiro de 2001, fiquei não só atingido pela beleza do país, mesmo se na época ainda dilacerado por uma sanguinolenta guerra, mas também pela sua peculiaridade. Num contexto profundamente africano, inseriam-se elementos absolutamente originais, marcas de outras culturas, inspirações europeias que não eram originadas exclusivamente por um passado colonial, das quais, aliás, é possível reconhecer ainda traços significativos nos vários monumentos de Luanda e de outras partes de Angola. Tal património cultural, único de Angola, era de facto fruto de um desenvolvimento amadurecido de forma autóctone pelos angolanos e entre os angolanos. Obviamente, o passo sucessivo foi o de conhecer as raízes profundas desta unicidade da realidade angolana de hoje, pesquisando directamente nas fontes históricas, para conhecer as origens deste fenómeno cultural, seguramente peculiar em toda a África Subsaariana. Nesta tarefa, onde obtive de imediato a plena colaboração dos "angolanos do sector", tive logo uma surpresa: por razões religiosas, mas também políticas, muitas das estradas da história angolana conduziam a Roma. Os soberanos do Reino do Kongo, que na época se estendia sobre parte da Angola actual, convertidos rapidamente ao Cristianismo, tinham de forma perspicaz visto a importância de uma relação directa com Roma, capital do Catolicismo, para fugir de possíveis influências de outros estados europeus que, através da Fé, teriam podido ter uma espécie de patrocínio sobre estas terras. E Roma soube, desde o início, responder às solicitações que chegavam de M'banza Kongo, capital daqueles soberanos. O primeiro texto de notável difusão que fez conhecer esta parte do mundo ao mundo ocidental, foi editado em Roma em 1591, por Filippo Pigafetta, sobrinho do célebre António Pigafetta, navegador do Globo terrestre, conjuntamente com Magalhães. ..." Alfredo Bastianelli Embaixador da Itália em Angola Desde o primeiro momento da minha chegada à Angola, em Janeiro de 2001, fiquei não só atingido pela beleza do país, mesmo se na época ainda dilacerado por uma sanguinolenta guerra, mas também pela sua peculiaridade. Num contexto profundamente africano, inseriam-se elementos absolutamente originais, marcas de outras culturas, inspirações europeias que não eram originadas exclusivamente por um passado colonial, das quais, aliás, é possível reconhecer ainda traços significativos nos vários monumentos de Luanda e de outras partes de Angola. Tal património cultural, único de Angola, era de facto fruto de um desenvolvimento amadurecido de forma autóctone pelos angolanos e entre os angolanos. Obviamente, o passo sucessivo foi o de conhecer as raízes profundas desta unicidade da realidade angolana de hoje, pesquisando directamente nas fontes históricas, para conhecer as origens deste fenómeno cultural, seguramente peculiar em toda a África Subsaariana. Nesta tarefa, onde obtive de imediato a plena colaboração dos "angolanos do sector", tive logo uma surpresa: por razões religiosas, mas também políticas, muitas das estradas da história angolana conduziam a Roma. Os soberanos do Reino do Kongo, que na época se estendia sobre parte da Angola actual, convertidos rapidamente ao Cristianismo, tinham de forma perspicaz visto a importância de uma relação directa com Roma, capital do Catolicismo, para fugir de possíveis influências de outros estados europeus que, através da Fé, teriam podido ter uma espécie de patrocínio sobre estas terras. E Roma soube, desde o início, responder às solicitações que chegavam de M'banza Kongo, capital daqueles soberanos. O primeiro texto de notável difusão que fez conhecer esta parte do mundo ao mundo ocidental, foi editado em Roma em 1591, por Filippo Pigafetta, sobrinho do célebre António Pigafetta, navegador do Globo terrestre, conjuntamente com Magalhães. ..." Alfredo Bastianelli Embaixador da Itália em Angola Desde o primeiro momento da minha chegada à Angola, em Janeiro de 2001, fiquei não só atingido pela beleza do país, mesmo se na época ainda dilacerado por uma sanguinolenta guerra, mas também pela sua peculiaridade. Num contexto profundamente africano, inseriam-se elementos absolutamente originais, marcas de outras culturas, inspirações europeias que não eram originadas exclusivamente por um passado colonial, das quais, aliás, é possível reconhecer ainda traços significativos nos vários monumentos de Luanda e de outras partes de Angola. Tal património cultural, único de Angola, era de facto fruto de um desenvolvimento amadurecido de forma autóctone pelos angolanos e entre os angolanos. Obviamente, o passo sucessivo foi o de conhecer as raízes profundas desta unicidade da realidade angolana de hoje, pesquisando directamente nas fontes históricas, para conhecer as origens deste fenómeno cultural, seguramente peculiar em toda a África Subsaariana. Nesta tarefa, onde obtive de imediato a plena colaboração dos "angolanos do sector", tive logo uma surpresa: por razões religiosas, mas também políticas, muitas das estradas da história angolana conduziam a Roma. Os soberanos do Reino do Kongo, que na época se estendia sobre parte da Angola actual, convertidos rapidamente ao Cristianismo, tinham de forma perspicaz visto a importância de uma relação directa com Roma, capital do Catolicismo, para fugir de possíveis influências de outros estados europeus que, através da Fé, teriam podido ter uma espécie de patrocínio sobre estas terras. E Roma soube, desde o início, responder às solicitações que chegavam de M'banza Kongo, capital daqueles soberanos. O primeiro texto de notável difusão que fez conhecer esta parte do mundo ao mundo ocidental, foi editado em Roma em 1591, por Filippo Pigafetta, sobrinho do célebre António Pigafetta, navegador do Globo terrestre, conjuntamente com Magalhães. ..." Alfredo Bastianelli Embaixador da Itália em Angola Desde o primeiro momento da minha chegada à Angola, em Janeiro de 2001, fiquei não só atingido pela beleza do país, mesmo se na época ainda dilacerado por uma sanguinolenta guerra, mas também pela sua peculiaridade. Num contexto profundamente africano, inseriam-se elementos absolutamente originais, marcas de outras culturas, inspirações europeias que não eram originadas exclusivamente por um passado colonial, das quais, aliás, é possível reconhecer ainda traços significativos nos vários monumentos de Luanda e de outras partes de Angola. Tal património cultural, único de Angola, era de facto fruto de um desenvolvimento amadurecido de forma autóctone pelos angolanos e entre os angolanos. Obviamente, o passo sucessivo foi o de conhecer as raízes profundas desta unicidade da realidade angolana de hoje, pesquisando directamente nas fontes históricas, para conhecer as origens deste fenómeno cultural, seguramente peculiar em toda a África Subsaariana. Nesta tarefa, onde obtive de imediato a plena colaboração dos "angolanos do sector", tive logo uma surpresa: por razões religiosas, mas também políticas, muitas das estradas da história angolana conduziam a Roma. Os soberanos do Reino do Kongo, que na época se estendia sobre parte da Angola actual, convertidos rapidamente ao Cristianismo, tinham de forma perspicaz visto a importância de uma relação directa com Roma, capital do Catolicismo, para fugir de possíveis influências de outros estados europeus que, através da Fé, teriam podido ter uma espécie de patrocínio sobre estas terras. E Roma soube, desde o início, responder às solicitações que chegavam de M'banza Kongo, capital daqueles soberanos. O primeiro texto de notável difusão que fez conhecer esta parte do mundo ao mundo ocidental, foi editado em Roma em 1591, por Filippo Pigafetta, sobrinho do célebre António Pigafetta, navegador do Globo terrestre, conjuntamente com Magalhães. ..." Alfredo Bastianelli Embaixador da Itália em Angola Desde o primeiro momento da minha chegada à Angola, em Janeiro de 2001, fiquei não só atingido pela beleza do país, mesmo se na época ainda dilacerado por uma sanguinolenta guerra, mas também pela sua peculiaridade. Num contexto profundamente africano, inseriam-se elementos absolutamente originais, marcas de outras culturas, inspirações europeias que não eram originadas exclusivamente por um passado colonial, das quais, aliás, é possível reconhecer ainda traços significativos nos vários monumentos de Luanda e de outras partes de Angola. Tal património cultural, único de Angola, era de facto fruto de um desenvolvimento amadurecido de forma autóctone pelos angolanos e entre os angolanos. Obviamente, o passo sucessivo foi o de conhecer as raízes profundas desta unicidade da realidade angolana de hoje, pesquisando directamente nas fontes históricas, para conhecer as origens deste fenómeno cultural, seguramente peculiar em toda a África Subsaariana. Nesta tarefa, onde obtive de imediato a plena colaboração dos "angolanos do sector", tive logo uma surpresa: por razões religiosas, mas também políticas, muitas das estradas da história angolana conduziam a Roma. Os soberanos do Reino do Kongo, que na época se estendia sobre parte da Angola actual, convertidos rapidamente ao Cristianismo, tinham de forma perspicaz visto a importância de uma relação directa com Roma, capital do Catolicismo, para fugir de possíveis influências de outros estados europeus que, através da Fé, teriam podido ter uma espécie de patrocínio sobre estas terras. E Roma soube, desde o início, responder às solicitações que chegavam de M'banza Kongo, capital daqueles soberanos. O primeiro texto de notável difusão que fez conhecer esta parte do mundo ao mundo ocidental, foi editado em Roma em 1591, por Filippo Pigafetta, sobrinho do célebre António Pigafetta, navegador do Globo terrestre, conjuntamente com Magalhães. ..." Alfredo Bastianelli Embaixador da Itália em Angola
More Information
Publisher Chá de Caxinde
Edition no. 1
Year of publication 2002
Page numbers 92
Format Livro capa mole
Language Portuguese
Country of Origin Angola
Dimension 21 x 13,6 x 0,5
Write Your Own Review
Only registered users can write reviews. Please Sign in or create an account