Angola, Poder, Ameaças e Identidade - José Eduardo Dos Santos

In stock
SKU
40210
$22.32
Livro capa mole

INTRODUÇÃO

O poder político tem sido, ao longo da história da humanidade, o motivo das principais guerras entre nações (guerras de império) e entre etnias ou grupos de elites do mesmo país. As guerras napoleónicas, as duas grandes Guerras Mundiais e a invasão de vários Estados pelas superpotências mundiais e/ou regionais, com destaque para os Estados Unidos de América e a antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) são alguns exemplos da disputa violenta pelo poder político no mundo actual.

Como disse o filósofo inglês Thomas Hobbes (1992: 34), "o homem por natureza aspira ao poder desde a nascença até à morte (…) e a afabilidade dos homens que já estão no poder é o aumento de poder, porque atrai amor". Ou seja, o egoísmo e o desejo de manter os outros sob a sua influência acompanham os homens e as nações que procuram a todo o custo controlar e alterar o comportamento dos outros homens (no plano interno) ou de outros povos ou Estados (no plano externo). Este processo realiza-se com recurso a um plano estratégico que compreende a projecção cultural, económica, política e militar - desde a forma pacífica (persuasão e diplomacia) até à violenta (dissuasão, boicote e guerra).

Entretanto, os elementos ontológicos constituem a base de qualquer estratégia de um Estado, uma vez que todas as conquistas só serão possíveis se houver uma base de apoio consistente, cujos membros estejam dispostos a sacrificar as suas vidas para uma aspiração supostamente comum. É o que o cientista político norte-americano, Ray Cline (apud Almeida 2012: 336), chama vontade nacional, definida como o grau da resolução que pode ser mobilizado entre os cidadãos nacionais para suportar as decisões governamentais em defesa e da política externa. Cabral Couto (1988) enquadra esses elementos (identidade nacional, patriotismo e coesão nacional) nas forças morais enquanto recursos fundamentais no potencial estratégico de um Estado. Silva Ribeiro (2010) remete os elementos identitários para a tradição histórica (o que se pensa), da qual vai resultar uma filosofia política (o que se quer), pois serão estes dois recursos que vão orientar a escolha, entre a multiplicidade dos objectivos políticos possíveis daqueles que irão ser prosseguidos em permanência pelo Estado, à luz dos fins últimos: os objectivos permanentes...

More Information
author Alberto Colino Cafussa
Publisher Mayamba
Edition no. 1
Year of publication 2018
Page numbers 361
Format Livro capa mole
Language Portuguese
ISBN 9789897611728
Country of Origin Angola
Dimension 23 x 15,5 x 2
About the Author

Alberto Colino Cafussa Jornalista e politólogo, nasceu na aldeia de Cassefo, na comuna do Kwale (Kalandula), na província de Malanje, a 15 de Fevereiro de 1972. Em 1992 concorreu (através de exame de admissão) para uma vaga no Instituto Médio de Economia de Luanda (IMEL), onde viria a concluir o curso de jornalismo, em 1995. Nesse mesmo ano, inicia a actividade docente no Ministério de Educação e lecciona Língua Portuguesa, em diversas escolas do 3.º Nível (7.ª e 8.ª classes), de Luanda, durante oito anos. Mas antes, em 1998, ingressa no jornal "Angolense", onde durante dois anos se notabiliza como repórter de Sociedade, ao lado de Américo Gonçalves, Graça Campos, Pascoal Francisco, Cristóvão de Sousa Neto e Mateus Volódia, só para citar os editores.

Nos finais de 2000, a convite da sua direcção, Alberto Cafussa integra os quadros das Edições Novembro e torna-se um dos repórteres do "Jornal de Angola". Graças ao seu inconfundível desempenho, oito meses depois, sob proposta de Osvaldo Gonaçalves (chefe de Redacção), é nomeado sub-editor de Economia do único matutino do país. Chega a Editor de Economia do "Jornal de Angola", em 2006, cargo que abandona em 2009 para abraçar, provisoriamente, um novo projecto editorial: o "Semanário Económico", do Grupo Média Nova - que, como chefe de Redacção, ajuda a fundar. No Jornal de Angola, onde regressa, quatro anos depois, como editor-chefe de economia, já fundara, em 2007, o Suplemento Economia & Finanças, criando raízes para o actual Jornal Economia & Finanças das Edições Novembro.

No campo académico, com o intuito de conseguir estabilidade profissional, Alberto Cafussa interrompeu durante oito anos (de 1995 a 2002) os estudos, para se dedicar inteiramente ao emprego. Em 2002, frequenta o primeiro ano de Comunicação Social no Instituto Superior Privado de Angola (ISPRA), mas troca-o pela Ciência Política, na Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto. Enquanto estudante de Ciência Política, curso que concluiu com distinção (2002-2006), Alberto Colino Cafussa liderou o quadro de honra nos últimos dois anos, tendo obtido nota máxima na defesa do seu trabalho de fim de curso ("O GURN entre a Guerra e a Paz"). Mercê dessa distinção, foi admitido a leccionar na extinta Faculdade de Letras e Ciências Sociais, como assistente estagiário. Hoje, é docente na Faculdade de Ciências Sociais, no curso de Ciência Política, em cujo departamento chefiou a Repartição Pedagógica, de 2011 a 2016. Como docente, leccionou as disciplinas de Fundamentos de Ciência Política I e II, Sociologia Política e Eleitoral, Geografia Política e Processos Eleitorais e Representação Política.

Actualmente, é consultor da Casa Civil do Presidente da República, coordenando o Serviço Técnico da Secretaria de Comunicação Institucional e de Imprensa do Presidente da República.

Write Your Own Review
Only registered users can write reviews. Please Sign in or create an account