Relato de Guerra Extrema

In stock
SKU
40016
$11.16
Livro capa mole
Um jornalzinho clandestino (folha A4 impressa dos dois lados), calculou que em vinte cidades cerca de um milhão e meio de pessoas tinham sido soterradas nos edifícios, com disparos provenientes de helicópteros ou de vedetas ou explosões de gás nos prédios seguidas de labaredas, de dentro das quais milhares mergulharam no vazio mortal. Duas mil pessoas foram aprisionadas num bairro sublevado. Os homens foram fuzilados e mais de quinhentas mulheres levadas para um galpão que servira de armazém de cereais. Ali foram mandadas deitar no chão. As lideranças dos fundamentalismos religiosos criaram um exército conjunto. O acordo foi assinado pelo Bispo Daniel de Arimateia e Sheick Alfredo. As estruturas religiosas mantêm-se separadas, sendo criado um exército comum, denominado Exército Para a Salvação (EPS). A mulher DJ, com três metralhadoras acabadas de apanhar no chão, perguntou ao Aldo se ele não tinha receio de entrar nos abismos da violência e perder a ética toda. - não minha cara amiga, a ética do recurso à violência depende apenas de contra quem se usa. Lavinia baixou as jeans escuras até aos tornozelos, amarrou a camisa em baixo do sutiã e foi ele mesmo que lhe tirou a tanguinha. Orgasmo de madrugada na aridez é bom para começar o dia, passa optimismo, sensação de fertilidade no ermo, energia humana na desolação.
More Information
author Jonuel Gonçalves
Publisher Mayamba
Edition no. 1
Year of publication 2010
Page numbers 176
Format Livro capa mole
Language Portuguese
ISBN 9789898370068
Country of Origin Angola
Dimension 23 x 15,5 x 1
About the Author Jonuel (vem de José Manuel) Gonçalves, é nómada desde a infância porque seus pais mudavam de bairro em bairro de Luanda à procura de aluguer mais barato. Com 15 anos escreveu um artiguinho de jornal. No ano seguinte com um grupo de amigos, começou a difundir panfletos contra o colonialismo e, como tinham muitos leitores, aproveitou para escrever alguns ele próprio. Como consequência, nomadizou anos pelas rotas do mundo, com vários nomes e pseudónimos, até que um dia a situação mudou e voltou a Angola. Nunca parou de escrever, primeiro com seu nome inicial mas, como foi confundido com outros, rebatizou-se Jonuel, que é feio mas não se confunde. Nos anos 1990 voltou ao nomadismo, avisando que a partir dali só escrevia segundo as regras do Acordo Ortográfico, porque consoantes mudas só atrapalham e, junto com textos de pesquisa, deu-lhe para escrever ficção. Presentemente vive no Rio de Janeiro (Brasil) e é Professor da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), em Salvador, e Pesquisador do Centro de Estudos da Educação e desenvolvimento em Ondjiva, Kunene.
Write Your Own Review
Only registered users can write reviews. Please Sign in or create an account